terça-feira, 27 de agosto de 2013

A Estrela

Imagem: http://www.oficinadaalma.com.br/taro/galeria/index.htm

A doçura e a beleza da Estrela escondem sua grande coragem e desapego.

Fé, é isso que a estrela nos passa.
Fé na vida, no melhor, fé no no futuro apesar de todas as turbulências.

A Estrela não combina com exatidão, com garantias ou estabilidade, ela apenas  é a luz e o conforto em meio a noite escura, e quanto mais escura a noite, mais intenso o brilho daquela Estrela teimosa a nos lembrar que a beleza existe.

Gosto da nudez e do despojamento da Estrela, do brilho no olho sem garantias de nada, apenas da beleza interior refletida no olhar.

Arcano 17 do Tarô a estrela mantém seu brilho encurralado entre a tempestade violenta que se foi - Arcano 16, A Torre, e o mergulho profundo na noite escura da alma que se faz necessário - Arcano 18, A Lua.

A Estrela é sutil, leve, superficial, não é momento de se aprofundar, nem de meditar, nem de ligar o senso crítico.

É o momento de fluir, sentir, ser acarinhada, se permitir uma trégua.

A Estrela não tenta mais impedir nada, nem apressar nada, ela abriu as portas do inconsciente, relaxou, deixou os monstros fugirem e não tem pressa em encará-los nem em resgatá-los - se os monstros são meus eles voltarão no momento certo, então pensaremos no que fazer com eles.

A Estrela é sorriso inocente, pele nua, inocência nos olhos, despojamento e confiança infantil.
A Estrela é a Bailarina da canção:

"Eu sou uma bailarina e cheguei aqui sozinha. 
Não pergunte como eu vim, 
porque já não sei de mim. 
Do meu circo eu fui embora, 
sei que minha família chora. 
Não podia desistir, 
se um dia, como um sonho ele apareceu pra mim. "
(A Bailarina e o Astronauta, Tiê) 




Um comentário:

  1. Muito legal o texto.E a parte q mais gostei foi onde fala dos "monstros".

    ResponderExcluir